A contribuição da farmacogenética no tratamento de patologias neurológicas.

Até 70% dos pacientes de doenças neurológicas não respondem ao tratamento medicamentoso e até 75% apresentam reações adversas.

Em todo o mundo, mais de 400 milhões de pessoas são afetadas por distúrbios mentais ou comportamentais. Esses distúrbios ocupam a quinta posição no ranking das dez principais causas de incapacidade de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

As alterações mentais e comportamentais exercem um impacto considerável sobre os indivíduos. Existem diversos transtornos mentais com manifestações variadas, caracterizadas por uma combinação de pensamentos, percepções, emoções e comportamentos anormais que podem durar poucas semanas ou que persistem durante toda a vida. Entre os principais transtornos mentais estão a depressão, a ansiedade, a epilepsia e a psicose.

Segundo a OMS, a depressão atinge aproximadamente 300 milhões de pessoas no mundo, sendo uma das mais conhecidas e expressivas patologias neurológicas. A ampla variedade de medicamentos disponíveis no mercado representa um desafio ao médico encarregado de escolher a terapia mais adequada para cada paciente.

Já as terapias psicológicas e medicamentosas para a ansiedade, enfermidade neurológica com alta predominância na população mundial, mostram-se eficazes a curto prazo, porém vão perdendo a eficácia em percentual significativo dos pacientes a longo prazo.

Outro distúrbio neurológico de grande impacto é a epilepsia. Assegurar a eficácia terapêutica é fundamental, pois as crises convulsivas podem ocasionar consequências neurobiológicas, cognitivas e psicológicas. O fármaco antiepilético deve ser individualizado em função da síndrome epiléptica, o tipo de crise, a idade do paciente, presença de outras patologias, interações com outros medicamentos, entre outros fatores.

Para o caso da psicose, que possui prevalência de 0,85% na população mundial, exige-se conduta clínica personalizada, combinando medicamentos com terapia psicológica de acordo com a origem do transtorno psicótico.

Segundo a Faculdade de Medicina de Ohio, nos EUA, até 70% dos pacientes não respondem ao tratamento, e foram relatadas reações adversas ao psicofármaco em até 75% dos usuários.

Diante desse desafio, a farmacogenética tornou-se uma ferramenta importante para a escolha de uma terapia medicamentosa mais segura e eficiente.

A farmacogenética estuda como a diferença genética entre os indivíduos pode afetar o metabolismo dos medicamentos, já que a variação no genoma humano é um dos fatores responsáveis por modular a resposta individual aos medicamentos.

Os genes da família do citocromo P450 (CYP450), responsáveis pela síntese proteica das enzimas metabolizadoras, exibem polimorfismos capazes de modelar o perfil fenotípico de cada indivíduo, resultando em diferentes padrões de metabolização das drogas, sendo estes categorizados em:
1) Metabolizadores lentos, indivíduos com diminuição ou ausência da enzima metabolizadora;
2) Metabolizadores intermediários, que apresentam metabolismo padrão à maioria da população; e
3) Metabolizadores rápidos, perfil decorrente de um aumento na produção enzimática.

O laboratório SYNLAB traz em meio aos seus exames de inovação testes capazes de estudar o perfil genotípico da família de genes que estão relacionados com a expressão das enzimas do CYP450. Os exames relacionam o perfil genético do paciente com os principais fármacos utilizados na medicina para tratamento de distúrbios neurológicos.  Os exames estão divididos nos seguintes painéis: FG NEURO Depressão, FG NEURO Ansiedade, FG NEURO Epilepsia e FG NEURO Psicose.

As informações do perfil individualizado de metabolização dos fármacos para cada paciente auxiliam na escolha da terapia mais segura, além da dose mais ajustada, condutas estas que podem contribuir para maior eficiência da ação terapêutica.

Sobre o Grupo SYNLAB
O Grupo SYNLAB é líder na prestação de serviços de diagnóstico médico na Europa, disponibilizando uma gama completa de serviços de análise clínica laboratorial a pacientes, profissionais de saúde, clínicas e indústria farmacêutica. Proveniente da união da Labco com a synlab, o novo Grupo SYNLAB é o indiscutível líder europeu em serviços de laboratório médico.

Referências Bibliográficas

  1. B S Shastry. Pharmacogenetics and the concept of individualized medicine. The Pharmacogenomics Journal (2006) 6:16–21.
  2. Stuart A. Scott. Personalizing medicine with clinical pharmacogenetics. Genetics on Medicine (2011) 13(12):987-95.
  3. Gardner KR, et al. The Potential Utility of Pharmacogenetic Testing in Psychiatry. Psychiatry Journal Volume 2014, Article ID 730956.
  4. Prows CA, et al. Drug-Metabolizing Enzyme Genotypes and Aggressive Behavior Treatment Response in Hospitalized Pediatric Psychiatric Patients. Journal of Child and Adolescent Psychopharmacology (2009) 19(4):385-94.
  5. Metzger IF, et al. Farmacogenética: princípios, aplicações e perspectivas. Medicina (Ribeirão Preto) (2006) 39 (4): 515-21.
  6. Gillman PK. Tricyclic antidepressant pharmacology and therapeutic drug interactions updated. British Journal of Pharmacology (2007) 151:737–748.
  7. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5652:folha-informativa-transtornos-mentais&Itemid=839 < Acesso em 22/04/2019
  8. https://www.mdsaude.com/psiquiatria/psicose < Acesso em 22/04/2019
  9. https://www.who.int/whr/2001/en/whr01_po.pdf < Acesso em 22/04/2019
  10. https://docacademyblog.com/2019/04/04/farmacogenetica-a-personalizacao-da-medicina < Acesso em 22/04/2019
  11. https://www.synlab-sd.com/exames-de-inovacao < Acesso em 22/04/2019

Assine a nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades sobre nossos exames