O câncer colorretal pode ser evitado em até 90% dos casos.

Testes não invasivos contribuem para melhora na baixa adesão dos programas de triagem de câncer de colorretal.

O câncer colorretal (CCR) representa a segunda causa de morte nos países desenvolvidos, com uma taxa de 880 792 casos de morte no último ano (1), sendo superado somente pelo câncer de pulmão em homens e de mama em mulheres. Estudos mostram que as taxas de incidência e mortalidade de CCR cresceram exponencialmente e de forma global, com uma expectativa de aumento de 60% até 2030 (2). Estima-se que uma a cada 20 pessoas terá câncer de cólon ou reto durante a vida (3). A maioria dos casos são diagnosticados entre os 65 e 75 anos, ainda que também sejam registrados casos a partir dos 35 anos, no geral associados a predisposição genética.

A vigilância e prevenção do CCR são condutas importantes para este tipo de câncer que pode ser evitado em 90% dos casos. Apesar da gravidade da doença, a detecção do câncer colorretal nos estágios iniciais possibilita o tratamento eficaz para a maioria dos pacientes. Atualmente, já existem programas de triagem populacional para o CCR direcionados para homens e mulheres a partir dos 50 anos de idade, e que não apresentam sintomas ou outros fatores de risco. No entanto, devido aos possíveis desconfortos causados pelos testes disponíveis como a colonoscopia, triagem fecal e a sigmoidoscopia, ainda é significativamente baixa a aceitação e participação ativa da população. Dessa forma, nem sempre o diagnóstico pode ser realizado de modo precoce.

O progressivo aumento na incidência e mortalidade do CCR evidenciam claramente que a utilização de métodos não invasivos e que favoreçam o aumento da adesão da população aos programas de triagem, é uma medida preciosa na detecção precoce, ainda na fase pré-maligna do CCR. Um estudo com pacientes alemães revelou que em um grupo de 172 indivíduos, 109 (63,4%) se recusaram a realizar colonoscopia para triagem de CCR. Entretanto, 82,6% (90/109) aceitaram realizar a triagem por exame de sangue, sendo que 100% dos que tiveram resultado positivo, optaram por realizar a colonoscopia (4). Pode-se afirmar, portanto, que o exame de sangue não configura uma alternativa aos métodos tradicionais como a colonoscopia. Na verdade, ele se apresenta como um indutor dos testes convencionais na medida em que os pacientes com resultado positivo do teste de sangue são convencidos a realizar a colonoscopia e similares.

A opção pela realização de um teste não invasivo, a partir da coleta de apenas uma amostra de sangue, já é uma realidade para o diagnóstico e triagem do CCR. Isso porque análise de biomarcadores epigenéticos como a metilação gênica, têm se tornado importante aliado na conduta diagnóstica.  A metilação é um importante mecanismo de regulação da expressão gênica. Diferentes padrões de metilação de genes supressores de tumor são observados em muitos tipos de câncer, incluindo o CCR. Entre os vários genes metilados, a septina metilada 9 (mSEPT9) apresenta níveis extremamente altos de metilação nos tecidos tumorais colorretais e tem sido utilizada como marcador de alta sensibilidade para detecção precoce de CCR (5). A proteína codificada pelo gene SEPT9 pertence a uma família de proteínas envolvidas na regulação da divisão celular. A metilação do SEPT9 diminui a expressão dessa proteína, estando essa diminuição relacionado ao desenvolvimento do câncer colorretal.

Buscando sempre oferecer alternativas inovadoras no âmbito do diagnóstico genético, a SYNLAB desenvolveu o teste Septina9, um exame não invasivo que permite a detecção precoce do câncer colorretal por meio de uma simples amostra de sangue. A análise objetiva a detecção do gene SEPT9 metilado procedente do tumor e que é liberado na corrente sanguínea.

O teste Septina9 é o primeiro e único teste não invasivo aprovado pelo FDA que auxilia na detecção precoce do câncer de cólon. O exame é uma excelente opção principalmente para as pessoas que se recusam a realizar a triagem de CCR uma vez que a análise é utilizada como um método de screening para indicação de colonoscopia, que continua sendo o método de diagnóstico para a detecção do câncer de cólon e que deve ser realizado para o acompanhamento de pessoas com história pessoal e/ou familiar da doença. Frente a um resultado negativo para o Septina9, recomenda-se repetir o teste de acordo com as diretrizes médicas, enquanto um resultado positivo é indicativo de recomendação para realização da colonoscopia. Tratando-se de um teste não invasivo, o teste pode ser facilmente repetido anualmente ou bianualmente, evitando a realização de testes que geram desconforto, o que faz desse teste um importante indutor para o aumento da participação das pessoas em programas de rastreamento do câncer colorretal.

Sobre o Grupo SYNLAB

O Grupo SYNLAB é líder na prestação de serviços de diagnóstico médico na Europa, disponibilizando uma gama completa de serviços de análise clínica laboratorial a pacientes, profissionais de saúde, clínicas e indústria farmacêutica. Proveniente da união da Labco com a synlab, o novo Grupo SYNLAB é o indiscutível líder europeu em serviços de laboratório médico.

Referências

1.  Global Cancer Observatory – Cancer Todayhttps://gco.iarc.fr/ <Acesso 25/07/2019>

2.  Arnold, M. et al. Global patterns and trends in colorectal cancer incidence and mortality. Gut 66, 683–691, https://doi.org/10.1136/ gutjnl-2015-310912 (2017).

3.  Surveillance, Epidemiology, and End Results Program. Cancer Stat Fact Sheets. [April 29, 2015]. Disponível em: http:/ /seer.cancer.gov/.

4.  Adler, A. et al. Improving compliance to colorectal cancer screening using blood and stool-based tests in patients refusing screening colonoscopy in Germany. BMC gastroenterology 14, 183, https://doi.org/10.1186/1471-230x-14-183 (2014).

5.  Ma, Z.Y. et al. Methylated Septin 9 and Carcinoembryonic Antigen for Serological Diagnosis and Monitoring of Patients with Colorectal Cancer After Surgery. Scientific Reports, Natura, 17;9(1):10326 – https://doi: 10.1038/s41598-019-46876-4 (2019).

Sites

http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2019-07/mutirao-contra-cancer-colorretal-ocorre-em-13-cidades

Os números do câncer de cólon e reto no Brasil

SOCIEDADE AMERICANA DE CÂNCER. Câncer colorretal pode ser prevenido? Disponível em: https://www.cancer.org/ Acesso em: julho de 2019

Assine a nossa newsletter

Cadastre-se para receber novidades sobre nossos exames